Etiquetando o BDSM

 

Sério a coisa esta se complicando no meio BDSM, parece que as pessoas têm agora um fetiche em discutir BDSM, algo tão simples que sempre se resumiu em convivência.

O BDSM sempre teve apenas três pilares Top, Botton, SW, dentro dessa linha temos sádicos e masoquistas, fimmmmm.

 

Parece que de uns dez anos pra ca, algum ou alguma imbecil ou imbecis resolveram analisar os praticantes de BDSM  e querer colocar etiqueta na testa de cada um deles dependendo de cada conduta.

 

Caramba o BDSM não é uma máquina, são pessoas e pessoas são extremamente complexas, até hoje a psicologia não conseguiu criar um padrão de conduta humana, de repente um gênio resolveu colocar etiquetas nos praticantes do BDSM.

 

A começaram a inventar um monte de letrinhas pra classificar as pessoas e  pronto vamos analisar o Botton..............

 

Brat, tamer, sub, maso, bla, bla blá, nem sei esses nomes idiotas que inventam, caramba que cretinice..... é impossível vc catalogar uma pessoa, submissa não é uma ferramenta de catalago, acorda gente.....

No comportamento de uma ou um  Burton, podemos encontrar, Submissão, Rebeldia, Masoquismo, sadismo, sexualismo, dependência, independência, etc. , etc., etc.....

 

Tipo

1% submissa, 1% rebelde, 1% masoquista, 97 % sádica (parar por aqui pra não complicar).

o outro(a) botton

2% submissa, 1% rebelde, 1% masoquista, 96 % sádica.

 

Se a gente continuar dividindo as proporções pessoais de uma pessoa.

Depois de dezenas de milhares de combinações.

Teremos

97% submissa, 1% rebelde, 1% masoquista, 1% sádica.

 

Já deu pra perceber que não existe uma etiqueta que possa ser usada pra dizer qual o tipo de submissa uma pessoa é, por isso cada dia alguém inventa um nome e complica mais a cabeça das pessoas, quem inventa essas coisa ou acredita nessas coisas só pode ter experiência de contos BDSM, porque se tivesse vivência real saberia que não existe um  padrão de comportamento.

 

E nem incluímos os Tops,..... Danete, possessivo, ignorante, controlador, sádico etc etc, temos a mesma proporções de milhares de comportamentos diferentes...

 

Logo combinando as milhares de personalidade da submissa, com as mulheres de personalidade do Dominador, teremos milhões de Ds diferentes, lembrando que temos protocolos de comportamento dentro do BDSM, que aliais servem exclusivamente para convívio em grupo.

 

As submissas tem que parar de tentar se encaixar em conceitos furados de etiqueta e serem simplesmente elas e os Dominadores tem que parar de andar com manualzinho de nomenclatura BDSM de baixo do Braço, procurando ver onde uma submissa se encaixa, conviva com ela, descubra ela e comprove que é bom ter uma submissa, independentemente do comportamento dela.

MESTRE YoY.