A MASMORRA

 

 Outro dia comentei a seguinte colocação mais ou menos assim  na rede social.

 

Quem nunca fez uma cena de BDSM em uma masmorra, então não fez quase nada em BDSM.

 

 Essa afirmação gerou um monte de protesto de muitas pessoas e até pessoas experientes discordaram dessa posição, eu sempre tive comigo, se você se irrita com o comentário de alguém é porque você não tem convicção do que acredita.

 

 Bem a primeira pergunta pra avaliar uma resposta é, - Você já fez uma sessão numa masmorra?

 Se sua resposta for não, então me perdoe, mas sua opinião não tem valor nenhum.

 Eu sempre gosto de comparar o BDSM com coisas simples, é como uma matéria dizer que o chocolate Belga é o melhor do mundo, e a pessoa que só comeu Laka e Suflair, discordar, é no mínimo ridícula a opinião dela.

 

 Sinceramente eu posso dizer que aprendi o BDSM dentro de uma Masmorra, foi na masmorra do Valhala, que tive o contato com toda a Liturgia que envolve o BDSM, eu sinceramente não gosto do termo Liturgia, prefiro protocolos do BDSM, mas cabe aqui usar esse termo.

 Dentro de uma masmorra existe uma egregora, uma energia um momento que remete nosso espírito e mente a toda dinâmica de um Dominante e um submisso.

 Não digo que não existe BDSM fora da masmorra, seria ridículo afirmar isso, ainda mais ninguém vive em uma masmorra, mas que a cena lá é algo digamos dezenas de vezes superior a uma cena em qualquer lugar não importa onde, isso é inquestionável, é o auge de um momento único de um praticante de BDSM.

 

 Eu tive muitas dezenas de submissas, e ainda tenho uma comigo há 18 anos, então digo, nenhuma cena em motel, hotel, mato, quarto, superou todas a cenas feitas diretamente em uma masmorra, principalmente as avulsas, onde é necessário um clima maior para  total mergulho da mente da submissa na cena, ou quando se mantém a submissa presa por vários dias, nada e digo nada supera estar presa dentro de uma masmorra, acorrentada, a luz de vela, com todos os equipamentos ali, prontos a ser usados lá.

 

 Afirmei e volto a afirmar, é impossível atingir o ápice da Liturgia do BDSM fora de uma masmorra, isso pra qualquer praticante.

 Eu pessoalmente não sou muito liturgico, mas a masmorra te obriga a ser, é natural, é espontâneo, ela te joga pra fora da realidade.

 

 A mesma posição eu tenho sobre as Pro Domes de motel e hotel, uma Dominatrix, prefiro chamar assim, pra eu atender profissionalmente dando ao dominado a experiência mais intensa e verdadeira do BDSM, só é possível para a Dominatrix que possuí a própria masmorra e com todos os equipamentos, e acessórios necessários. Todas as Dominatrix que  respeitei sempre tiveram sua própria Masmorra.

 

 Existe muita gente que afirma que pode ter a mais pura Liturgia em qualquer lugar, isso quer dizer que essas ProDomes que atendem em motel ou bares, tem condição sim levar o submisso dessa sessão ao mais intenso mergulho no BDSM, eu duvido totalmente....

 

 Entenda que esse post não tem a intenção de rebaixar  o BDSM de ninguém, infelizmente hoje o BDSM esta muito superficial, basta um mandar e o outro obedecer, pronto o mais puro BDSM, "me perdoem usar o termo puro BDSM, também não gosto dele, mas serve pra passar uma idéia",   mas ele serve para  dizer, simmmmm, o BDSM pode ser mais intenso do que você já experimentou, não fique na mesmice, voçê vai trazer pra dentro da masmorra,  as praticas que teve fora dela, e vai perceber que elas serão bem diferentes, as respostas serão diferentes e  elas cada vez se tornam mais intensas, a cada nova sessão. 

E sinceramente a masmorra é extremamente viciante, se você tiver o previlégio de montar a sua, voçê vai achar que não existe liturgia fora de uma, e por isso que uma Casa ou Clube BDSM, só pode ser considerada assim se possuir uma MASMORRA.

 

 

MESTRE YoY